Make your own free website on Tripod.com

aaa.jpg

Bem Vindo
Palmarés Desportivo
Dados pessoais
1.ª Fase da Pré Época
Como Planear o Treino
Início de Época
O Treino
O Treinador
Planeamento
Metodologia do jogo
O Novo Futsal
O futuro do Futsal
Sistemas Defensivos
Mandamentos do Treinador
Imprensa Desportiva
Os meus links
Historia do Futsal em Portugal
As Minhas Fotos

O Treino

1_139.jpg

 
A estrutura da sessão de treino:

Os objectivos previamente definidos pelo treinador só poderão vir a ser alcançados através da vivência prática de um conjunto de exercícios correctamente inter-relacionados e organizados em diferentes sessões de treino, os quais se distribuem racionalmente ao longo de cada semana e de toda a época desportiva.

A sessão de treino tem uma duração muito variável e deve conter três partes distintas:

a) Parte preparatória ou aquecimento;
b) Parte principal ou fundamental;
c) Parte final ou de retorno à calma;
b) Parte preparatória ou aquecimento.

É a parte inicial e indispensável de todas as sessões de treino e de todas as competições em que o atleta vai intervir.
É constituído por um conjunto de exercícios que têm por objectivo preparar o atleta para os esforços maiores que a seguir irão realizar-se e evitar o risco de lesões.

Recomendações Práticas:
O aquecimento deve ser progressivo e deve iniciar-se com uma intensidade fraca que aumentará gradualmente à medida que as diferentes estruturas do organismo se adaptem ao esforço. Evita-se, assim, o perigo de uma lesão ou de uma grande fadiga inicial.
Exemplo: só depois de correr lentamente e durante alguns minutos é que poderão realizar-se sprints;
O aquecimento deve ser prolongado: nunca deverá ser inferior a 15/20 minutos, pelas razões supra indicadas;
O aquecimento deve conter duas partes distintas mas complementares: o aquecimento geral e aquecimento específico:
Aquecimento geral: é a fase inicial e pode conter, por exemplo, uma parte de corrida lenta e contínua, para a activação orgânica e alguns exercícios de alongamentos estáticos para prevenir o aparecimento de lesões;
Aquecimento específico: segue-se ao aquecimento geral e visa preparar o atleta para as situações concretas que vai encontrar a seguir.
Exemplo: se vai treinar velocidade deve fazer várias acelerações com intensidades crescentes; se vai treinar força, deve mobilizar os músculos que a seguir irá solicitar mais intensamente.

Aquecimento para o jogo:
Deve obedecer a todos os princípios metodológicos indicados anteriormente, o que significa que, de início, deverá correr e realizar exercícios de alongamentos, após o que deverá exercitar as diferentes situações que o jogo contém.
Recomendações Práticas:
• Deve iniciar-se cerca de 40 minutos antes do início da competição;
• Deverá estar terminado 10 minutos antes do início desta;
• Nesta fase, o praticante deverá concentrar-se e procurar manter o seu aquecimento, realizando alguns alongamentos;
• Nunca deverá ser demasiado intenso, o que poderia retirar a capacidade de resposta, sobretudo no início do jogo.
Este princípio é tanto mais válido quanto maior for a preparação física dos atletas;
• Quando estes, após uma longa viagem, se sentem muito fatigados e não têm grande vontade de correr, necessitam de fazer um aquecimento mais forte que o habitual. Devem vencer essas inércias no aquecimento e nunca transportá-las para o jogo.
«Um bom aquecimento é uma condição indispensável para que os atletas possam começar bem a competição e um mau começo pode comprometer irremediavelmente o seu desempenho.»
b)Parte principal ou fundamental
Tem esta designação por ser nesta parte que se concretizam os objectivos previstos para a sessão de treino. Estes devem ser correctamente escolhidos e colocados adequadamente na estrutura organizativa da parte fundamental da sessão de treino. As outras duas partes (aquecimento e retorno à calma) são condicionadas e determinadas pelo conteúdo desta.
Recomendações práticas:
- O aperfeiçoamento da técnica, da velocidade de deslocamento ou da velocidade de reacção deverão ser trabalhadas logo a seguir ao aquecimento, isto é, sem fadiga;
- O treino da força pode ser realizado logo a seguir;
- O treino da resistência, ao contrário da prática tradicional, deverá ser preferencialmente realizado no fim da sessão;
- As anteriores indicações metodológicas pressupõem uma visão sectorial de cada capacidade motora, contudo, no jogo, todas estão integradas, pelo que a sua rentabilização exige que por vezes as técnicas e a velocidade sejam também solicitadas em situações de fadiga, tal como sucede na competição;
- Se pretendermos melhorar as resistências específicas, a duração desta fase deverá ser superior à do jogo ou, caso seja menor, deverá ter uma intensidade superior e um menor número de pausas;
- Se pretendermos melhorar a velocidade, a duração desta fase poderá ser inferior à da competição, mas com uma intensidade superior e um aumento de duração das pausas.
c) Parte Final ou de Retorno à Calma
Durante um jogo ou uma sessão de treino há uma grande activação de diferentes funções orgânicas e, por vezes, surge um estado de fadiga mais ou menos acentuado. Uma passagem súbita para uma situação de repouso não é conveniente e poderá comprometer o processo de recuperação. Se o aquecimento prepara gradual e progressivamente os atletas para o esforço que a seguir vão desenvolver, esta fase procura que o organismo transite gradualmente para a situação de repouso.
Todos os que já praticaram qualquer actividade física já viveram, certamente, a situação em que a seguir a um esforço e depois de tomar banho, continuam a transpirar, o que significa que o organismo ainda não retornou à calma.
Recomendações práticas:
Se existir uma grande situação de fadiga, deverá começar por umas corridas lentas e terminar com a realização de exercícios de alongamentos estáticos para os grupos musculares mais solicitados, que, no caso dos futebolistas, são os membros inferiores. Estes exercícios só deverão terminar quando os atletas de sentirem recuperados;
• Se existir uma fadiga localizada, devida, por exemplo, à realização de exercícios de musculação, há que descontrair essa zona, realizando alongamentos.
• O tempo de recuperação depende de uma adequada ingestão de líquidos durante e após o esforço, assim como da posterior alimentação.
• Devem ser realizados exercícios de fraca e regressiva intensidade.
• As características desta parte da sessão de treino são determinadas pela especificidade do trabalho realizado na parte fundamental.

dsc01103.jpg

-JOGO – 2 x 2 - QUADRA NA VERTICAL

MATERIAL – 1 bola de futsal, giz e marcadores de quadra.
FAIXA ETÁRIA – a partir dos 7 anos.

OBJETIVOS TÉCNICOS - passe, recepção, chute, marcação, antecipação, drible, finta e deslocamentos.

OBJETIVOS GERAIS - noção de ataque / defesa, cobertura, noção de marcação individual, diminuir espaços, noção de marcação por zona, atenção, noção da função de alas e noção do sistema 2.2 e 4.0.

OBJETIVOS ATITUDINAIS - inclusão, respeito aos limites do colega, cooperação, respeito à integridade do colega, valorização aos jogos, autonomia, respeito às regras e criatividade.

DESCRIÇÃO – jogo de futsal, mas a quadra é dividida pela metade na vertical em direita e esquerda, onde os jogadores realizarão as funções de alas, não podendo mudar de setor.

2- JOGO 2 x 2 QUADRA NA HORIZONTAL
MATERIAL – 1 bola de futsal, giz e marcadores de quadra.
FAIXA ETÁRIA – a partir dos 7 anos.

OBJETIVOS TÉCNICOS - passe, recepção, chute, marcação, antecipação, drible, finta e deslocamentos.

OBJETIVOS GERAIS - noção de ataque / defesa, cobertura, noção de marcação individual, diminuir espaços, noção de marcação por zona, atenção, noção das funções de fixos e pivôs e noção do sistema 2.2.

OBJETIVOS ATITUDINAIS - inclusão, respeito aos limites do colega, cooperação, respeito à integridade do colega, valorização aos jogos, autonomia, respeito às regras e criatividade.

DESCRIÇÃO – jogo de futsal, mas a quadra é dividida pela metade na horizontal, onde os jogadores realizarão as funções de fixos e pivôs, não podendo mudar o setor.
 
3- JOGO DA QUADRA DE VOLEI

MATERIAL – 1 bola de futsal, giz e marcadores de quadra.
FAIXA ETÁRIA – a partir dos 15 anos.

OBJETIVOS TÉCNICOS - passe, recepção, chute, marcação, antecipação, proteção de bola, giro, drible, finta e deslocamentos.

OBJETIVOS GERAIS - noção de ataque / defesa, cobertura, noção de marcação individual, inteligência tática, diminuir espaços, noção de marcação por zona, atenção, noção das funções de alas, fixos, pivôs e noção do sistema 3.1 e 4.0.

OBJETIVOS ATITUDINAIS - inclusão, respeito aos limites do colega, cooperação, respeito à integridade do colega, valorização aos jogos, autonomia, respeito às regras e criatividade.

DESCRIÇÃO – jogo de futsal, mas na quadra de vôlei jogam os alas. O pivô e o fixo jogam pelos lados da quadra.

VARIAÇÂO 1 – trocar os posicionamentos (alas fora e pivô e fixo dentro da quadra de vôlei).
VARIAÇÃO 2 - o pivô só joga na quadra de ataque e o fixo na quadra de defesa.

4- JOGO DA QUADRA EM TRIÂNGULOS (X)

MATERIAL – 1 bola de futsal, giz e marcadores de quadra.
FAIXA ETÁRIA – a partir dos 15 anos.

OBJETIVOS TÉCNICOS - passe, recepção, chute, marcação, antecipação, proteção de bola, giro, drible, finta e deslocamentos.

OBJETIVOS GERAIS - noção de ataque / defesa, cobertura, noção de marcação individual, inteligência tática, diminuir espaços, noção de marcação por zona, atenção, noção das funções de alas, fixos, pivôs e noção do sistema 3.1.

OBJETIVOS ATITUDINAIS - inclusão, respeito aos limites do colega, cooperação, respeito à integridade do colega, valorização aos jogos, autonomia, respeito às regras e criatividade.

DESCRIÇÃO – jogo de futsal, mas a quadra é dividida em 4 setores em forma de triângulo (duas faixas na diagonal) onde os jogadores realizarão as funções de alas, pivôs e fixos, não podendo mudar de setor. O pivô pode se deslocar pelos triângulos ofensivos como variação para o jogo.

5- JOGO DA QUADRA 3 FAIXAS NA VERTICAL

MATERIAL – 1 bola de futsal, giz e marcadores de quadra.
FAIXA ETÁRIA – a partir dos 15 anos.

OBJETIVOS TÉCNICOS - passe, recepção, chute, marcação, antecipação, drible, finta e deslocamentos.

OBJETIVOS GERAIS - noção de ataque / defesa, cobertura, noção de marcação individual, diminuir espaços, noção de marcação por zona, atenção, noção das funções de alas, fixos, pivôs e noção do sistema 3.1.

OBJETIVOS ATITUDINAIS - inclusão, respeito aos limites do colega, cooperação, respeito à integridade do colega e regras, valorização aos jogos, autonomia e criatividade.

DESCRIÇÃO – jogo de futsal, mas a quadra é dividida em três setores na vertical, onde os jogadores realizarão as funções de alas, pivôs e fixos, não podendo mudar de setor.

VARIAÇÃO 1 – O pivô pode jogar em toda a meia quadra de ataque.

VARIAÇÃO 2 – O pivô e o fixo podem jogar em toda meia quadra de ataque.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este trabalho é fruto de estudo diário e observação constante de técnicos e professores. Penso que estou contribuindo com uma nova técnica de trabalho para o futsal, esta mais motivante e desafiadora. Os exemplos citados podem servir de origem e inspiração para outras dezenas de jogos condicionados visando o aprendizado das posições e funções no futsal. Basta que nós, técnicos e professores coloquemos nossa imaginação e façamos nossa criatividade aflorar e prol do aprendizado do futsal.

Autor: Otávio Nogueira Balzano

cima.jpg